2012/01/20

ESQUINA

g
e
n
r
a
l
senador feijó
c
â
m
a
r
a


sete horas da manhã duma segunda –feira
num bar imundo
classificação “cinco baratas*”
um bêbado escorado numa parede
segurando um copo de cerveja
grita para uma puta que chora:

- Você não vale nada prá mim, nada!

Ela tenta abraçá-lo
escandalosamente chora
arruma a meia arrastão
que de tanto uso
está furada
a maquiagem de ontem
borra-lhe a cara inchada
e insone
ele esvazia a garrafa
e pressinto que escorregará de vez pela parede suja
rumo à sarjeta
não metafórica
mas literal

Caminhando penso enquanto procuro meu crachá na carteira:

"- afinal cada se prostitui de um jeito"




4 comentários:

Bárbara disse...

O que me consola e que este mundo está para acabar!

Ranzinza disse...

Somente Vadinho, O Memorioso pode afirmar isso!

vladéfoda disse...

acho que já acabou inclusive

Ranzinza disse...

Sempre Sábio, meu orgulho!