2017/05/25

OS PSICOS E SEUS DIREITOS...



Fui acordado às duas horas da madrugada por sons que pareciam troca de tiros. Briga entre traficantes? Assim pensei ainda tonto de sono. 
Cuidadosamente dirigi-me à janela, rezando para não ser “premiado” por uma bala perdida. 
E o que vejo?
Os “nóias”, protegidos pelos Direitos Humanos, arrebentando, aos chutes e pedaços de pau, uma janela de alumínio na rua - certamente roubada. 
Por ser a rua cercada de prédios altos, os ecos davam a impressão de tiroteio que somado ao medo cotidiano em que vivemos levou-me ao delírio de guerra entre quadrilhas (junho se aproxima...).
Voltei rápido à cama, e muito mais tarde ao sono pensando assim:



você barganha com a barata
ou passa logo o inseticida* ?
chinelo ou conversa fiada?
usa aquele jornal enrolado feito
um porrete ou abre a porta gentilmente
e pede que ela saia?
um olhar de enfado, de fim de caso
ou vassoura arrebentando tudo pela frente?
é...
...assim nas ruas nos dias de hoje!
é...
...estamos entre a cruz e a espada
é...
... bem entre a bala perdida e a encomendada.











*(me segurei para não escrever flit!)

2017/05/23

LIGEIA



Caríssimo, desculpe-me a ausência, mas essa missiva traz-lhe boas novas.

Conheci acidentalmente uma moça muita linda. Encontrei-a numa inesperada ida minha à praia. Sabe bem o bom amigo o que penso de passeios à beira-mar, sobre o sol na cabeça, a luz nos olhos como sabe, isso me remete à desgraça de Mersault, mas o Destino, sim com “D” maiúsculo sempre nos prega peças...  Sim estava a andar a esmo, pensando na falta de sentido da vida, quando – Louvado seja Deus! - a vi dentro d’água (quase ouso dizer que eu a ouvi antes de vê-la)!

Sem pensar e sem dar por mim, me vi pulando ondas, mergulhando, nadando como se tivesse feito isso toda a minha vida. Não sei por quanto tempo dei braçada e mais braçadas até que me aproximei dela – e ela cheirava a sal...

Faltam-me palavras, verbos, substantivos, adjetivos, falta-me toda uma gramática, um alfabeto para descrevê-la (dominasse eu o grego!), e por isso não o farei aqui e nem em meu último suspiro, por isso peço-lhe: SIMPLESMENTE CREIA EM MIM!

Ficamos horas a conversar boiando nas ondas, mas meus olhos, minha alma, todo meu eu afundava-se naqueles olhos verdes...

Nesse mister passou-se todo o meu dia, somente ao por do sol, despedi-me dela.

Perguntei onde ela morava, como poderia encontra-la outra vez, e ela, olhando para o horizonte sem fim, respondia com doces negativas e um sorriso que levaria qualquer outro homem à loucura. Qualquer outro homem que não esse seu amigo versado em ciências do absurdo e do oculto à vista de todos...

Arrisquei-me a inquirir seu nome, e num sorriso lindo, sua resposta:

- Ligeia.

O sol já começava a se pôr, seu reflexo na água me ofuscava, e quando cheguei perto para abraça-la, num pirueta, mergulhou e desapareceu... As gaivotas grasnavam em coro, elas riam de minha angustia, de minha dor, lembrei-me nesse instante a razão de minha antipatia pelo mar.
Caríssimo, esse tempo sumido se deve à minha insensata busca por ela. Ando de praia em praia:
 - Ora gritando:

 - Ligeia!

Ora murmurando:

 - Ligeia!

Assim passo meus dias n’água, ando mais enrugado do que deveria nessa minha provecta idade. Acho que já estou ficando com meus cabelos verdes... Meu bronzeado já está transformando minha pele em papiro, há vezes em que, chegando em casa após o dia inteiro na praia, não me reconheço em frente ao espelho.

Caríssimo, o amor na nossa idade é realmente um risco fatal!

Minha vida mudou, estou irreconhecível, sem perceber, alterei drasticamente meu modo de viver e me alimentar, duvida?

Veja a receita que lhe envio:

SALADA DE ALGAS E PEPINO

Ingredientes:


– 25 g de mistura de algas secas
– 1 pepino pequeno
– 75 ml de mirin
– 75 ml de vinagre de vinho de arroz
– 2 colheres de sopa de açúcar amarelo
– 2 colheres de sopa de sumo de limão



Faça assim:

1.                                         Ponha as algas de molho numa taça com água fria e deixe repousar 15-20 minutos para amolecerem;
2.                                         Corte o pepino ao meio no sentido do comprimento e depois às meias-luas muito finas Ponha as algas, grosseiramente picadas, e o pepino numa tigela;
3.                                         Misture o mirin com o vinagre de vinho de arroz e o açúcar num tacho pequeno e leve a lume brando até o açúcar dissolver. Retire do lume e deixe arrefecer. Junte-lhe o sumo de limão;
4.                                         Deite o molho de vinagre sobre as algas e o pepino e envolva cuidadosamente. Sirva em taças pequenas ou pratos individuais.

A princípio você deve estranhar, mas com o tempo e uma paixão avassaladora, logo se adaptará.

Caríssimo, estou um homem muito velho para tais emoções, enquanto traços essas linhas, uma voz doce canta em meus ouvidos, a dúvida me rói. Será Ligeia?, será a loucura que já me come pelas beiradas?

Aguardo resposta.

P.S. Envio-lhe essas conchinhas. Uma de cada praia a que vou.

P.S². Espero que goste da salada.

Abraços salgados.






2017/05/19

CHEFE NEY SOFRE

(Drama Relâmpago!)



Local: Arquivo Geral de uma repartição pública.

PERSONAGENS:

Chefe Ney – Tido e havido por avis-rara, um abnegado e primeiro mártir do serviço público. Não tem nem dá sorte com seus subordinados.

Agente Mostarda - Típico funcionário público, com agravante de não tomar banho, não trocar de roupas por meses e meses a fio. Ladrão de comida, flibusteiro covarde que ataca a cozinha e rouba comida da geladeira e das mesas dos colegas trabalho, vagabundo, chorão e endividado em todas as praças. Quando, na falta de que fazer, liga para as ex-mulheres e as xinga, sempre usando o telefone da repartição(para economizar!). Sua única fraqueza?, o gerente do Banco do Brasil.

O “Almirante Inglês*” – Outro funcionário da mesma cepa. Um herói que enfrenta qualquer empreitada no intuito de fazer nada. Foge do trabalho com um vampiro foge da luz, o talvez explique e justifique sua cor pálida. Sonha em ser um novo Agente Mostarda, seu ídolo confesso.

Adinilza** - A Viuvinha ProfissionalEspecializou-se na sagrada arte de segurar mãos de moribundos. (e depois tentar receber uma polpuda pensão), um dia há de conseguir. Ela se esforça!

Josyanderson - Outro tipinho, típico incompetente que sonha ser chefe de alguma coisa em algum lugar. (E sim, ele chegará.).

 Tia do Café – Pessoa mais importante de qualquer repartição pública (vide a piada do leão que fugiu do zoológico) – entra muda e sai calada.

 Telefone – O eterno preterido.







PRIMEIRO E ÚNICO ATO




Telefone toca.

O Agente Mostarda tem a mesma estratégia do “Almirante Inglês*” - velho funcionário, com uma longa lista de desserviço ao serviço público - para não fazer nada, questiona tudo suavemente, interrompe qualquer argumento e desgasta o sujeito que quer fazer alguma coisa.

Chefe Ney, passado poucos segundos após sua explanação, por fim, desiste. Sai, vai tomar café, tentar acalmar-se. Ele veio de uma cidade grande no intuito de moralizar o serviço nessa repartição, mas sua missão não será fácil.


(alguns tic tacs depois...)

Chefe Ney volta.  

Agora Adinilza - A Viuvinha Profissional – também está fazendo e seu número para contra o discurso do Chefe Ney com o uso majestoso de mímica & pantomima. Ela começa com uma falsa tosse - (não consegue chamar atenção), pigarreia (o mesmo efeito), deixa a caneta cair ao chão (nada), lentamente começa a choramingar, Chefe Ney dá-lhe seu lenço e pede-lhe que se dirija ao banheiro para se recompor. Agora ela começa a chorar de verdade (percebe que seu número, tão ensaiado, falhou) e sai da sala.

Telefone continua tocando...

Chefe Ney, tenso, sai à rua. Resolveu voltar a fumar.

(passam-se alguns minutos)

Chefe Ney volta.

Telefone continua tocando...

A conversa é reiniciada e o tempo vai passando...

Agente Mostarda olha fixamente (ah! aqueles olhos baços azuis...), como se estivesse preocupado, balança cabeça de cima para baixo, da direita para a esquerda negativamente e afirmativamente, levanta o dedo indicador e já começa a tartamudear, balbuciar e emitir estranhos grunhidos emulando sugerir, aludir ou citar algo no intuito de confundir, dispara o inexorável:

 “- Veja bem!”
...e acaba por ganhar mais tempo para não fazer nada.
Consegue a atenção de todos à sua volta.  

     (mais tempo perdido!)

Sagra-se vencedor!

(a claque aplaude histérica!)

Chefe Ney, de volta ao arquivo encara o Agente Mostarda.

Chefe Ney pensa:

­- Terei dor de cabeça hoje.

Chefe Ney percebe que hoje não será resolvido mais nada e coçando a cabeça, pede licença e sai para tomar outro café, fumar outro cigarro e ir à loja de caça e pesca praticar uns tiros. 

Chefe Ney retira-se da repartição tocando seus snujs e murmurando seu mantra:

- “Ainda irei ao Ganges implorar a Ganga para que minh’alma imortal não ressuscite outra vez, vivo muito cansado de sofrer.” - Chefe Ney é fã ardoroso de George Harrison.

Telefone continua tocando...

À distância e nas sombras, o subchefe, e eterno chefe-substituto Josyanderson - O Sub-humano! - naturalmente, olha como que com sono para tudo isso e não diz nada, pois em seu intimo pensa:

- Quando o Chefe Ney cair reinarei soberano e porei essa canalha na linha! – Josyanderson, o subchefe, saliva!

O tempo passa e:

Agente Mostarda voltou para sua pocilga leve como uma libélula soprada pelo vento. Abre a gaveta e joga migalhas, tiradas do bolso de sua jaqueta, de pão velho para as moscas que cultiva em cima de folhas de alface.
Ele está satisfeito, embaralhou tudo e não fez coisa alguma, venceu mais uma vez. Em seu íntimo ele se vê como o toureiro que matou o miúra, o gladiador que matou leões, um semi-césar, ele sente-se o Grande Deus do Nada...

Amanhã será outro dia...

Outra luta.

Telefone continua tocando...

Agora Agente Mostarda está sentado em seu trono, olha para o relógio de pulso, com ar falsamente parvo comenta enquanto puxa do funda de sua gaveta um sanduiche de mortadela:

- Chefe Ney é um incompetente, fala e fala e não explica nada. - Perdigotos são disparados em todos os pontos cardeais e colaterais.

Telefone continua tocando...

A Viuvinha, decana das viuvinhas de repartição com os olhos mais fundos ainda (muita maquiagem, tá na cara!), voltando do banheiro onde estivera chorando até agora, comenta com a tia do café, de passagem no momento:

- Esse cara é envolvente, sempre sério, parece que está engajado em não produzir nada – seus olhinhos fundos de viuvinha profissional brilham lúgubres – um vagabundo fantástico... – Não a toa está galgando uma chefia aqui.

Pegando a tia do café pelo braço, indaga:

- Ele se locupleta? É solteiro?

15h23, os demais funcionários fogem.


(Som de gongo!)

Telefone continua tocando...

(Cai o pano)




*Aqui a modéstia e o medo de um processo nas costas me impedem de declinar-lhe o nome real

.** Novamente o medo e a prudência me impedem, outra vez, de declinar-lhe o nome recebido na pia batismal.