2012/08/28

TENSO



O medo vinha à noite, no bater do vento nas janelas, no latido distante do cachorro, no grito anônimo na rua escura, no telefone que toca às altas horas, na insônia cheia de fantasmas e sirenes apitando loucamente...

E o amanhã como será?


3 comentários:

Silvio Barreto de Almeida Castro disse...

O mais aterrorizante é o apito das manobras na Santa. Ao cachorro há sempre uma carne velha. O resto não ouço.

Ranzinza disse...

Ente superior.

Mirze Albuquerque disse...

O amanhã será igual, com pouquíssimas diferenças.

Muito BOM!

Beijos

Mirze