2011/12/19

AGORA SÓ EM 2012


ESTÁ CHEGANDO

logo chega aquela data

sim aquela data

os sinais de sua chegada

estão pelas ruas

nas lojas

as luzes já piscam

o verde e o vermelho se espalham

e espraiam-se pelas ruas e praça

nas portas

(e são tantas)

pedintes pedem

velhos com placas de compra-se ouro

dormem em pé

crianças que não

são minhas

ou suas

estendem mãos

e pedem também sua parte nesse quinhão natalino

vozes estridentes gritam

as ofertas

as campanhas

os “comprem logo seus presentes”

são anunciados nas rádios tv’s e alto-falantes

o corre-corre começou

os filhos pedem

os pais prometem

compram-se roupas novas

doam-se as velhas

trocam-se receitas

começam as brigas e discussões

quem fará o quê?

o que comprar?

para quem comprar?

(me pergunto para quê comprar?)

os velhos barbudos

(me excluo disso!)

já se candidatam a fantasiar-se

barbas brancas são cultivadas

barrigas também

os dias correm como que ladeira abaixo

e os preparativos se atrasam

rôo minhas unhas

coço minha cabeça

lá vem ele...

nas folhinhas abrem-se janelas

(com bombons)

contagem regressiva

ansiedade

lá vem o natal outra vez

parece que foi ontem que briguei com tanta gente

antes, durante e depois da ceia

os natais se sucedem em minha vida como uma catástrofe anunciada e nunca evitada

sou atraído para ele como

o suicida para a morte

num deja-vu louco e sem sentido

alucinado

desvio das lojas

desvio dos velhos gordos e barbudo

antevejo a chegada de minha neurose

trinco os dentes

revejo meus palavrões

cerro os punhos

e todo o aborrecimento dessa data vem à minha garganta

minha boca amarga

meus olhos turvam

meu Deus

(acendendo meu cigarro quase grito)

- como eu detesto o natal!

(nunca mais a primeira pescaria do ano...

Quem ainda está vivo para lembrar isso?)





(e pensar que minha única alegria

é chatear o Vadinho

com os tradicionais três abacaxis)





Mas para os que ainda cultivam uma fagulha que seja de boa-vontade leiam a participação especial de Maria Aparecida Soares Ferreira no Folhetim Cultural, onde poderão encontrar doçuras nos poemas da Mirse e ainda palavras e pensamentos leves na prosa cotidiana da Bárbara. Aproveitem e não me acusem de ter estragado o Natal de vocês!








Aos amigos Próximos, Chegados, Afastados, Temporariamente Distantes, Geograficamente Longe de mim, àqueles com quem brigo o ano todo, àqueles que suportam esse meu humor: Feliz Natal (sim é ironia) e Boas Entradas!
Nos leremos em 2012!











5 comentários:

MIRZE disse...

Roberto!

Por ser cristã. sou como você. A família briga, uns acham que o presente não está à altura etc...

Todos sem exceção esquecem de fazer ao menos uma prece de mãos juntas, ou cantar como uma criança faz e dançar desengonçado.

É o nascimento de uma criança, que se festeja, mas trocaram para a festa do comércio .

Excelente!

Beijos

Mirze

Folhetim Cultural disse...

O Melhor texto que li. Obrigado Roberto pela referência! Nos natais do Folhetim textos como esse...

Bárbara disse...

Não gente ele não estraga os natais.. Ele só da um ponto de vista mais interessante!!!
rsrsrsrsrsrs

E que venha mais um ano de Etc&Basta!

Uhull
Bjos a todos e ao meu titio mais lindo! (Dps dessa ele me mata hahahah')

Cultura Livre na Web disse...

Um super feliz 2012 para você e toda a sua família. Espero que seus sonhos se concretizem, com muita saúde, te dando alegrias em cada um dos próximos 365 dias!
Abraços,
Milu

VOZES COLETIVAS disse...

366 esse ano...