2011/11/17

PARA VOCÊS MOCINHAS

Essa é para você mocinha, jovem adolescente, que está agora abrindo os olhos para vida. Que está dando os primeiros passos no pantanoso terreno do amor, plena de ilusões, peitos, digo, peito cheio de coragem, preparada para lutar pelo ente querido, aquele ser que não sai de sua cabeça e pulsa no mesmo ritmo que o seu coração.
Sim, minha querida, esse texto, essas humildes letras são para você, só e exclusivamente para você.
Preparada para lê-lo? Está com tempo e paciência?
Sim, paciência, sei o quanto é rara essa mercadoria nessa idade.
Se você respondeu SIM para todas as questões acima, vamos lá, ao interessa.
Dia desses - todos tão iguais ultimamente (desculpem-me, às vezes divago demais) - recebi, se bem conheço quem o enviou, de sacanagem, o endereço de um orkut.
Entrei e sambei.
Não entendo desse negócio, mal e mal tive um blog. Tive que telefonar ao amigo que me enviou o endereço e perguntar como funcionava o negócio.
Explicado, lá fui eu navegar pela página.
Logo entendi a razão de estar lá vendo o que estava vendo.
Era uma moça (há quanto tempo não leio essa palavra!) se declarando a outra moça (!).
Gente, eu não trago cá no peito muitos preconceitos, não. Vocês viram que eu não disse: “Não trago cá no peito nenhum preconceito”?
Não sou perfeito, nem tenho essa tara, afinal, esse é o meu tempero.
Divago de novo...
O que mais me espantou não foram as “juras de amor eterno" - aliás num dado momento uma das amantes até diz: “Não digo que te amo para sempre, porque o sempre, sempre acaba” - muito original, não é? - O verdadeiro incômodo estava nas transgressões, ora gramaticais, ora de concatenação de idéias. Fora, é claro, o modo como esse pessoal se comunica (?). Não consegui ler uma frase completa, foi um inferno tentar compreender.
Que pobreza! Que idéias!
Chafurdam-se num pântano de lugares-comuns, afundam-se na mediocridade das declarações. Juro que não vi naquilo nada mais que a vontade de serem “transgressoras”, “rebeldes”, “mudernas”. Francamente, nem refrão de pagode poderia ser mais pobre e vulgar.
Queridas mocinhas, se vocês querem impressionar alguém, preocupem-se em impressionar o ser amado, não se preocupem com os que estão à sua volta. Impressionem o objeto de seus amores com coisas belas, belas palavras e, por favor, palavras que contenham sentido.
Dar-lhes-ei um exemplo de declaração de amor entre iguais, de autoria de Safo*, poetiza grega. Leiam, apreendam e, se possível for, aprendam:



A Lua Já Se Pôs

A lua já se pôs
As Plêiades também:
Meia-noite: foge o tempo,
E eu estou deitada sozinha.


Outra só para vocês terem um gostinho, e não mais:


A Amada
Ventura, que iguala aos deuses,
Em meu conceito, desfruta
Quem, junto de ti sentada,
As doces falas te escuta,
Goza teu mago sorrir
Quando imagino em tal gosto
É minha alma um labirinto;
Expira-me a voz nos lábios;
Nas veias um fogo sinto;
Sinto os ouvidos zunir
Gelado suor me inunda;
O corpo se me arrepia;
Fogem-me as cores do rosto,
Como ao vir da quadra fria
Entra a folha a desmaiar.
Respiro a custo, e já cuido
Que se esvai a doce vida!
Arrisquemos-nos a tudo...
Contra um angústia insofrida
Tudo se deve tentar.



Por favor, minhas jovens, aprendam a declarar vosso (não ouso dizer o nome**) amor com inteligência e, se não for pedir muito, com delicadeza. Ser sapata não que dizer ser “caminhoneira”, que me desculpem os/as representantes de tão nobre profissão!










*Safo, poetisa nascida em Mitilene, na ilha de Lesbos, por volta do século VII a.C

** Leiam Oscar Wilde

2 comentários:

Bárbara disse...

O amor perdeu sua identidade, sua beleza e suas cores com essa juventude, que só me da vergonha.

Mais nada a declarar.

Tudo o que eu queria dizer, vc já deixou bem explicado.

E não adianta falar nada para esse povo:
amor de verdade para eles é aquele q tem melhor bolso ou , de acordo com sua linguagem, melhor "pegada".
Eles definitivamente não sabem o que é amor e então tão pouco saberão expressá-lo.

Bjo*

MIRZE disse...

Incrível, Roberto!

O que é isso? Declaração de amor pública para que? E ainda com frases, imagino muito mais chulas.

Eu tenho Orkut apenas para me comunicar com minhas irmãs que não moram no Rio. Filtro tudo e ainda assim não entro. Prefiro pagar o telefone.

O mundo está horrível!

MUITO BOM!

Beijos

Mirze