2011/10/04

DONA ALZIRA E DONA LOLA

(Drama Geriátrico-relâmpago)

(sons de tosse, pigarro, espirros, lamentações)



Dona Lola - Quer um cafézinho?

Dona Alzira - Não! Prefiro um chá.

Dona Lola - Erva-doce?

Dona Alzira - Não. Mate com lima

Dona Lola - Quente?

Dona Alzira - Não. Frio.

Dona Lola - Bolachinha?

Dona Alzira - Pão.

Dona Lola - Com manteiga?

Dona Alzira - Geléia.

Dona Lola - De ameixa?

Dona Alzira - Goiaba.

Dona Lola - Que dia é hoje?

Dona Alzira - Terça- feira...

Dona Lola - Não é quarta não?

Dona Alzira - Não, terça. Ta aqui na folhinha veja.

Dona Lola - Mas essa folhinha é de 1964

Dona Alzira - E que diferença faz prá você o ano? Todos os nossos dias são iguais...

Dona Lola - Humpf! (tosse) Quase me engasgo com a dentadura



(pausa)



Dona Alzira – É o Gardel cantando?

Dona Lola - Gardel morreu ontem... Encontram ele com as perninhas prá cima durinho, durinho...


(chove)


Dona Alzira - Cadê o meu café?

Dona Lola - Mas você pediu chá mate.

Dona Alzira - Demorou tanto que agora café.

Dona Lola - Preto?

Dona Alzira - Com leite.

Dona Lola - Frio?

Dona Alzira - Não, condensado.

Dona Lola - Ainda vai querer pão?

Dona Alzira - Não, agora quero brioche...

Dona Lola - Que dia será hoje? Será que é já é quarta-feira?

Dona Alzira - Não, hoje ainda é terça-feira.

Dona Lola - Mas como você pode afirmar isso?

Dona Alzira - Você está esperando alguém?


(toca uma campainha ao longe)


(som de cadeiras sendo arrumadas, empurradas, caindo)



Dona Lola - Quem eu? Não. Não espero mais ninguém faz tempo. É que eu gosto de saber os dias da semana...

Dona Alzira - Prá que? Prá fazer docinho prá visitas?

Dona Lola - Mas que visitas...

Dona Alzira - Aquelas que você vive esperando nas quartas-feiras...

Dona Lola - Quartas-feiras, quintas-feiras, sextas-feiras.... Todos os meus dias são iguais...

Dona Alzira - E o chá, vem ou não?

Dona Lola - Mas o que você quer chá ou café?



(pausa)



Dona Alzira - O que vier primeiro... Ainda vai demorar?

Dona Lola - Cada dia que passa mais entendo porque a sua família deixou você aqui...

Dona Alzira (alterada, nervosa)- Só a minha me deixou aqui, só a minha? E a sua filha?

Dona Lola (nervosa e alterada) - E o seu filho então?

Dona Alzira - Era você quem vivia reclamando dos seus netos.

Dona Lola - Mas era você quem trocava o açúcar pelo sal e deixava as crianças doentes...

Dona Alzira - Mas nunca ameacei jogar nenhum dos meus netos pelas janelas.

Dona Lola - Mas isso nunca me passou pela cabeça, sua jararaca maldosa

Dona Alzira - Jararaca é a sua filha que nos colocou aqui.

Dona Lola - Café ou chá?


(pausa)


Dona Alzira - Formicida prá nós duas.

Dona Lola - Não é melhor guardar para quando nos filhos vierem nos visitar?

Dona Alzira - Besteira! O dia que eles vierem aqui, o veneno já perdeu a validade...

Dona Lola - Que dia é hoje?

Dona Alzira - Terça-feira ainda.

Dona Lola - Que um café?


(pausa)


Dona Alzira - Não. Prefiro um chá.

Dona Lola - Erva-doce?

Dona Alzira - Não. Mate com limão



(fade out)



Dona Lola – Tem certeza que hoje não é quarta-feira...?

Dona Alzira – Já falei, terça-feira, terça-feira, terça-feira

Dona Lola – Café ou chá?

Dona Alzira – Licor de Jenipapo...

Dona Lola – Copo ou taça?

3 comentários:

Folhetim Cultural disse...

Como na campanha do cantor sertanejo Zezé di Camargo, para o governo de Minas Gerais.
"Respeito aos nossos idosos".
Independente de passado...
amanhã seremos nós

Magno Oliveira
Folhetim Cultural

Ranzinza disse...

A causa é boa,mas os personagens citados...

MIRZE disse...

Ótimo!

Quando eu estiver assim, Roberto, quero que vá me oferecer chás, chocolates, perfumes e flores.

A graça está na lógica do teorema!

Adorei!

Beijos

Mirze