2011/09/15

CRIANCINHAS


(ou Herodes, grande e incompreendido Herodes!)



...e as crianças continuavam correndo e gritando, empurrando os móveis pelo caminho, derrubando o que houvesse pela frente.
Os pais nada viam, nada ouviam, nada os incomodava. Serão os pais naturalmente anestesiados para as atrocidades cometidas pelas suas crias? Devem ser, senão as coisas não chegariam a esse ponto.
Eu me virava na cadeira de um lado para outro, um sorriso forçado anunciava o meu mal-estar com a situação. Comia uns salgadinhos para me distrair, mas não dava para fingir que não estava testemunhando aquilo, não dava.
Quando a última fileira de crianças passou correndo pela cozinha, gritando como se o mundo estivesse à beira da hecatombe, quase levando junto a geladeira, não resisti e fiz um comentário para quem quisesse ouvir:

- Pois é, Herodes tinha razão! Não é mesmo? – e engoli um bolinho de queijo engordurado com um falso sorriso de satisfação.

A dona da casa, querendo impressionar uma das mães que estava à mesa conosco, pergunta com afetação:

- Ah! é? E o que foi que ele escreveu mesmo?

A amiga, embaraçada, olha para mim constrangida e comenta:

- É aquele Herodes. O Grande, da Bíblia...

- Que cabeça a minha! Qual o versículo dele mesmo?

- Não tem versículo dele. Herodes era o Rei da Judéia que mandou matar as criancinhas, citado por Mateus...

- Que pecado, mas qual a razão? – perguntou com os olhos esbugalhados de indignação.

Olhei para a minha mulher, peguei uma coxinha de galinha, levantei-me da mesa e disse que já era hora de ir embora, afinal ainda tinha que levar os cachorros para darem a voltinha no quarteirão. Na rua comentei com a minha mulher que realmente Herodes sabia o que estava fazendo e que miseravelmente não fez escola...

Depois me perguntam a razão de estar me tornando um eremita.



Um comentário:

MIRZE disse...

Roberto!

Qual a razão de tornar´se um eremita?

Crianças são assim. Imagino você, criança!

Não POOOOOOODDDDDEEEEEEEEE!

Beijos

Mirze