2012/12/19

AREIAS




Das arábias

Num tapete

Para trás ficaram

As areias

Os camelos

As mulheres

Os mistérios

Hoje olhos vagos

Perdidos no horizonte

De concreto e fios elétricos

Só param de sonhar

Quando "a breguês"

Entra “no lojinha”




3 comentários:

Silvio Barreto de Almeida Castro disse...

Cara, matou a pau.

Poesia altamente laica.

É por aí mesmo. Aquele Oriente Médio dizem que é lindo, praias maravilhosas, excelente comida, só que a religião misturada com a política desgraçou tudo.

E o povo de lá foi obrigado a vender quinquilharia aos burgueses bregas distante de suas tradições.

alexandre disse...

política e religião, qual mau é pior?

Ranzinza disse...

"As ambas"!