2012/08/22

DECISÃO ADIADA



Pôs o uísque no copo, duas pedras de gelo, umas gotas de veneno, girou com o dedo  indicador, por força do hábito lambeu-o depois.  Achou a mistura tão amarga que jogou a bebida fora, iria pensar noutra forma de por fim à própria vida.
.

3 comentários:

Mirze Albuquerque disse...

Uma poesia noir!

Fico sempre no ar quando se trata de "querer morrer".

Beijos

Mirze

Ranzinza disse...

Isso é uma luta diária.

Anônimo disse...

põe açucar, e depois pode dizer que morrer é doce!