2012/07/26

FATO


As moscas pousam
(uma mancha negra)
Na cabeça
Da criança morta
Apoiada no colo da mãe
Magra e faminta
Ninguém faz nada mais
Além de fotografar
A miséria é feia ao vivo
Mas vende
Jornais e revista
Deixemos tudo como está
Assim é esse mundo
Pois se ela (a mãe) precisa comer
Suas migalhas
Eu também preciso
Da minha lagosta e caviar
Assim é a vida
Uns tem outros não
Essas são as regras do jogo
Clic clic clic
Veja ali naquela esquina
Um morto de crack
Clic clic clic
O mundo é cruel concordo
Mas faço a minha parte
Te mostro
O que tu finges que não vê
Sou cínico?
Talvez
Mas os outros (que não eu, não eu)
São os assassinos
Somente te mostro
O que tu finges que não vê
Assim é esse mundo
Somente te mostro
O que tu finges que não vê

3 comentários:

Bárbara Magreela disse...

Esse é um fato desde que mundo é mundo. É mais facil fazer de conta que não vejo. É mais facil olhar para o outro lado. Miséria como vc bem disse "vende".
Mas quem quer fazer alguma coisa?
Empurro com a bariga, faço você engolir a culpa é de todos nunca a minha.

Ameiiii tio!
:)

Mirze Albuquerque disse...

EXCELENTE!

Miséria é nossa maior realidade. Jornais e fotógrafos. adoram....dá IBOPE!

Beijos

Mirze

Silvio Barreto de Almeida Castro disse...

O mais engraçado é a dubiedade, a ambiguidade da língua, com sentidos diametralmente opostos...

Miserável
adj. Que carece de recursos, que vive em extrema pobreza.
Digno de piedade, lastimável, miserando.
Ínfimo, demasiadamente baixo: salário miserável.
Malvado, perverso.
s.m. e s.f. Pessoa infeliz, desgraçada; indigente.
Pessoa infame.
Pessoa avarenta, sovina, somítica.