2011/11/07

AS HÁRPIAS*


(Coisas da repartição II)


Pensam os incautos que as harpias não existem mais (se é que já existiram) mas estão redondamente equivocados. Elas existem sim, trabalham ao meu lado. Sua voz é aguda como uma lâmina, quando elas falam, as plantas ( mesmas de plásticos) fenecem, morrem. Os pombos nas janelas voam para longe e voltam somente muito e muitos dias depois, normalmente para morrer.
Elas, as harpias, não falam como nós os humanos, elas praguejam, amaldiçoam, caçoam daqueles que se encontram ausentes.
O ar à sua volta fica pestilento, a ponto de eu ter que sair da repartição para respirar. Quando elas riem, tenho certeza que os mortos, em qualquer cemitério, se reviram em seus túmulos.
A guisa de asas, ela possuem cabelos armados com todos os tipos de produtos químicos cancerígenos (que aposto também destroem a camada de ozônio), em lugar de penas, umas roupas feitas sobre medida (afinal são extremamente gordas) que mais parecem destaque de escola de samba.
A ladainha diária é sobre dietas, e como num ritual pagão, elas gritam entre si e para si:

- Olhem como eu emagreci de ontem para hoje!

Posso lhes garantir que é impossível ver qualquer diferença, por mínima que seja. Lêem Caras e discutem aos berros e em altos brados o capítulo de ontem da novela.
Qual?
Qualquer uma, pois me parece que elas possuem vários aparelhos espalhados pela casa.
Sim é terrível trabalhar aqui, várias vezes pedi transferência para qualquer outro lugar, mas não consegui.
Mas pelo menos uma certeza trago em meu peito:

- O inferno É aqui, e em morrendo, vou para o céu.





*Harpia do Lat. harpeja < Gr. hárpyia, ave fabulosa de garras aduncas

s. f., Mit., monstro alado, com rosto de mulher e corpo de ave de rapina;

por ext. pessoa ávida e usuária;mulher de má índole e agressiva;





2 comentários:

Bárbara disse...

Meu caro Roberto.
Esta na hora de se aposentar!
Se o pedido não for aceito te empresto minha pistola que ameaço os inúteis daqui!
Depois te ajudo a fugir para algum lugar.
Apesar que matando "coisas" assim o mundo não lhe condenara, vai lhe exaltar isso sim!


hahhahahha

Como sempre arrasando!!!!!
Adoro oq vc escreve e fico no aguardo pelos contos de natal!! (OBAAA!)

Bjos!

MIRZE disse...

O inferno, Roberto!

Há muito que abriram as portas.

É só pular.

Vai sentir saudades!

Beijos

Mirze