2011/09/27

SOBRE CAFÉ, AMERICANOS E DÚVIDAS

Há duvidas cruéis que me assolam a alma e que me roem o coração, perguntas sem respostas que, por mais que eu pergunte, ninguém me responde...
Mas vamos começar do começo, que é sempre o melhor modo de se começar algo!
Vamos a ele.
Diariamente, chova ou faça sol, frio ou calor, nos encontramos na Bolsa Oficial do Café de Santos. Somos quase uma fraternidade, um clube fechado de três indivíduos - mais do que isso dá encrenca, porque logo pedem, em nome da democracia, o direito de falar e, conseqüentemente, discordar.
Três é um bom número!
Lá estávamos hoje, tomando nosso sagrado café, sentados em nossa mesa cativa, observando o movimento de turistas americanos. Todos já na casa dos sessenta e tantos anos ou mais.
Americanos típicos, grandões e rosados, com suas indefectíveis máquinas fotográficas penduradas no pescoço. Falando alto, rindo e, para profunda irritação das meninas do atendimento, pedindo café descafeinado!
Só eles mesmos...
Comentava a ironia da situação, o único lugar para se tomar um café decente é na Bolsa. Lá o café “É” de verdade, tipo exportação, e esses americanos apressados, em vez de esperarem o café chegar lá na terrinha deles, vêm bebê-lo aqui.
Enquanto eles penduravam-se em volta das mesas, continuávamos com nossa conversa fiada para passar o tempo até termos que voltar ao trabalho, quando entrou um que nos chamou ainda mais a atenção.
Vestido de safári, chapéu de lona verde camuflado, parecendo um caçador no qual só faltava um facão na cintura e um rifle as costas, usando óculos ray-ban, trazendo a tiracolo a esposa, uma velhinha magra com cara de missionária triste e submissa...
A guia turística deveria tê-lo informado de que o Brasil não é mais uma selva, pelo menos não totalmente, e que ele não precisava vir travestido de “Jim das Selvas” em plena savana africana. Só faltava aquela telinha de tule para protegê-lo dos mosquitos e moscas tsé-tsé.
O homem dava a impressão de ter vindo aqui não para tomar café, mas sim para caçar leões, tigres, sabe Deus o que mais, menos tomar um café!
E olhando para os americanos ali, expus a supracitada dúvida para o colega ao lado:

- Como é possível que eles dominem o mundo? Me responda Ó Sábio Vadinho!

Pensando ainda em Jim das Selvas, imaginei aquele americano sendo devorado por plantas carnívoras...
Preciso parar com tanto café!

2 comentários:

MIRZE disse...

Ótimo pensamento!

É exatamente isso o que eles pensam daqui. Uma selva, seria bárbaro se houvessem plantas carnívoras, embora sendo indigestos, certamente as plantas os rejeitariam.

Tome seu café tranquilo!

Beijos

Mirze

Ranzinza disse...

Se as plantas não os devorassem, eles poderiam ser usados como adubo!