2011/02/08

A MALDITA PERGUNTA

(É quando me pergunto se vale a pena ser educado)



- Acordei com trinta e sete graus e meio!

Respondeu o cão, quando por educação (sim a tenho), perguntei-lhe como estava.

Mordi os lábios, e discretamente amaldiçoei a hora que o encontrei. Tentei seguir em frente, mas ele segurou-me pelo braço, ( os chatos tem esse hábito!) e começou uma história sem fim e/ou sentido sobre tudo e sobre nada em especial (especialidade dos chatos), minto teve fim, quando por milagre a porta do elevador abriu-se e deixando-o a falar sozinho, entrei naquele cubículo espelhado, apertei o botão do terceiro andar, e fui.

Mas antes que o maravilhoso meio de transporte vertical chegasse, ouvi muito. Não entendi nada, deixei-me ficar em piloto automático e balançava a cabeça afirmativamente para cada frase, palavra, sentença, afirmações e negações que ele fez. Concordando, falsamente, com suas exclamações, balançava a cabeça com mais veemência ainda.

Com as mãos nos bolsos eu quase me castrava, sentia em meu íntimo, que quando a conversa terminasse, se terminasse, estaria eunuco...

Tudo isso por um simples:

- Tudo bem?

No bolso do meu blazer trazia um exemplar de “Ficções”, de Jorge Luis Borges, que ainda feliz com a vida, havia comprado num sebo onde passo religiosamente todos os dias.

Pergunto-me se isso tem alguma coisa a ver com a essa situação.

...e ainda gasto dinheiro comprando livros sobre realismo fantástico!

2 comentários:

Mirze Souza disse...

Renato!

Sempre me questionei sobre isso. Ser educado valia à pena, hoje, tiram proveito. Breve estaremos todos mudos com receio de ser educado, ou do que o outro está armando!

Muito interessante o texto!

Abraços

Mirze

Ranzinza disse...

É com muita educação (hahahahahaha) e delicadeza que faço uma pequena retificação em Vosso Comentário:- Meu nome é Roberto!